História do vinho

Tanto na época de infância, na escola, quanto em filmes que contemplam grandes navegações históricas, existia uma bebida que reinava frequentemente nas canecas dos seus respectivos personagens. Sabe qual é bebida é essa? Bom, se você disse o vinho, acertou em cheio.

Está histórica bebida esteve presente na maioria das mesas dos europeus, disseminando o cultivo de uva em todo o resto do mundo. Até mesmo disso, na época da Idade Média, o suco de uva em núcleo fazia parte das refeições, estimulando a criação de vinícolas até os dias atuais.

Quando o vinho apareceu?

Um time de arqueólogos acreditava que o vinho surgiria até mesmo durante a pré-história, considerando que o mesmo possui resquícios dentro das uvas que foram encontradas nas antigas cavernas.

vinho

A grande facilidade dentro da fermentação da uva no momento do seu cultivo a coloca, de diversas maneiras, no topo das bebidas alcoólicas mais consumidas anteriormente. Porém, é comum que as pessoas discutem quanto a utilizado do fermento, uma vez que é plenamente possível que o vinho da época antiga não tenha álcool.

Segundo os historiadores, foi a partir da domesticação das vinhas na Revolução da Agricultura que a fermentação acabou por ser oficialmente contemplada. Você tem ideia de quanto tempo faz isso? Quase 9 mil anos atrás.

Neste tempo, os povos da mesopotâmia já comerciava esta lendária bebida. Chamadas de odres, essas bolsas eram feitas a base de pele de animais para serem transportadas mais tarde para babilônios e os povos da suméria. Conforme o passar dos anos (muitos deles), as terras eram gradativamente preparadas para o cultivo constante de uvas.

Você já assistiu alguma série ou filme que mostre um pouco da cultura Egípcia? Reparou a frequência no qual eles tomam vinho? Os registros que colocam achados arqueológicos do Egito são diversos, principalmente em hieróglifos registrados precisamente em viniculturas. É nesta época que os rótulos começaram a fazer parte da sociedade, contendo todas as informações sobre as uvas e suas respectivas safras. Até mesmo as jarras de barro eram estritamente especificadas.

Falando um pouco mais do Egito, é correto afirmar que o vinho deu um verdadeiro impulso no comercio interno e externo. É possível dizer que os primeiros enólogos foram os próprios egípcios. Além disso, os vinhos foram gradativamente exportados par aa Europa a partir de 2500. Chegado lá, seu cultivo da costa foi estimulado naturalmente, sendo vital para economia local.

Na parte de mitologia, podemos fazer um pouco mais de Dionísio. Filho de Zeus com a mortal Sêmele, era um deus que apreciava as belas artes, teatro e principalmente vinho. Talvez seja daí que o refinamento possa também aparecer com mais força.

Parte da sociedade

Com a fundação de Roma dentro da linha de 700 a.c, iniciou-se o processo de expansão onde não levou muito tempo para chegar na Península itálica.

Já dentro da sociedade dos romanos, os mesmos transportavam o vinho para diversos lugares que invadiam. Basicamente, tornou-se uma forma de colocar seus costumes em evidência em todas as áreas que tomavam para si. Desta maneira, o vinho transformou-se em uma bebida de soldados romanos dentro das tabernas.

O vinho doce era mais utilizado na época. Os romanos consigam colher uvas de todo jeito. Imaturas, prestes a secar ou verdadeiramente maduras. Até mesmo nos dias de hoje, o vinho doce é feito com o complemento de açúcar em sua concentração. Tudo isso é chamado de “pacificação”.

Quer uma notícia ainda melhor? O vinho, consumido corretamente de uma boa safra, segundo o Dr. Rafael Angelim, pode potencializar sua saúde. Entre aqui para saber mais.

Gostou? Confira melhor sobre o nosso conteúdo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *